Escolhas, oportunidades e imposições

Em uma oficina de tradução do espanhol da qual participo, o professor pediu que os alunos escolhessem um autor, e um conto do respectivo autor, para traduzir. Para ajudar na tarefa, passou uma lista de nomes, mas quem quisesse teria ainda a opção de escolher alguém de fora da lista (contanto que estivesse em domínio…

Quebrando a quarta parede

  Estava jantando com uma amiga um dia desses e começamos a falar sobre invisibilidades das mais diversas, e eu, como bom viciado que sou na tradução, acabei fazendo uma pergunta: “Qual foi o último livro traduzido que você leu?”. Ela me respondeu que havia sido o de um professor francês que ela teve na…

Visibilidade e responsabilidade

Muito se fala sobre quanto a internet permite ao profissional expor seu trabalho e atrair olhares que podem ser muito favoráveis, principalmente em tempos difíceis como os atuais. Para que sejam realmente favoráveis, é preciso que esses olhares aprovem o que veem. Em outras palavras, o profissional que se mostra deve se mostrar em seu…

Muitas vozes na cabeça

Gosto de dizer que sou um autor tradutor, necessariamente nessa ordem. Foi como autor que estreitei minha relação com a literatura, lá pelos dezoito anos de idade, quando decidi por um par de motivos sentar em frente a uma tela em branco e descobrir se eu teria disciplina para escrever um romance. Para surpresa da…

PdL no VII Congresso da ABRATES!

Pelo terceiro ano consecutivo, o Ponte de Letras participará do Congresso Internacional de Tradução e Interpretação da ABRATES, que neste ano volta ao Rio de Janeiro. Porém, desta vez, vamos fazer diferente: daremos mais voz a quem vier conversar com a gente na palestra Vamos falar sobre tradução editorial? Será um grande bate-papo em que tocaremos em…

Rimando a rotina

Dia 1o de janeiro, eba, tem o mês inteiro. Dia da confraternização mundial, está escrito na agenda, mas você segue a organização editorial, é bom que logo aprenda. Corre com a tradução de um livro superesperado, com aquele romance conturbado. Público pós-adolescente não tem terror, então nada de pudor. Ninguém quer texto mascarado, melhor deixar…