Escolhas, oportunidades e imposições

Em uma oficina de tradução do espanhol da qual participo, o professor pediu que os alunos escolhessem um autor, e um conto do respectivo autor, para traduzir. Para ajudar na tarefa, passou uma lista de nomes, mas quem quisesse teria ainda a opção de escolher alguém de fora da lista (contanto que estivesse em domínio…

Os ovos e os cestos

Nos últimos meses, com o balanço feito pelas editoras, muitas notícias estão sendo divulgadas sobre a queda na venda de livros. Como é normal que aconteça, uma certa insegurança surgiu em quem depende dos livros para viver. Viver de livros poderia ser muito poético se este post não estivesse falando de épocas difíceis na economia.…

Viver de livros

Há alguns dias, estava pesquisando sobre um autor que estou traduzindo e encontrei um artigo que falava sobre o tradutor desse mesmo autor para o espanhol. Uma coisa me chamou a atenção. A autora do artigo se referia a esse tradutor como “um dos únicos tradutores que ela conhecia que vivia exclusivamente da tradução de…

Ler é fundamental

O tradutor literário precisa ser uma espécie de escritor? Ouço essa pergunta com frequência. O tradutor, seja literário ou não, precisa escrever bem. Escrever bem e ser escritor são coisas diferentes. Muitos tradutores são escritores e vice-versa, mas não é regra. Acredito que, muito antes de pensar em ser escritor, o tradutor literário precisa ser…

Traduzir livros é uma viagem

Traduzir livros é aprender coisas novas o tempo todo, pesquisar assuntos diversos dentro de uma mesma obra, descobrir o nome em português da chavinha da caixa de força do prédio, explorar muitos terrenos, visitar muitas tribos, falar muitas “línguas”, entrar em mundos desconhecidos. Traduzir livros é sempre ter um assunto novo em mente, é experimentar…

São tantas vezes…

Era uma vez uma menina que devorava livros. Passou direto do leite da mãe para as páginas cheias de figuras e letras sem estranhar. No início, as formas e cores dominavam. Muitas vezes, havia textura, sons… ela os saboreava mais com as mãos do que com os olhos. Conforme foi crescendo, começou a pegar mais…

Quando largar o osso?

Outro dia a Natasha Malara, iniciante na atividade tradutória, expôs suas dúvidas e aflições no grupo Tradutores/Intérpretes do Facebook. Com autorização dela, editei a pergunta para destacar o ponto a ser abordado e, quem sabe, poder colaborar na discussão de um assunto que atormenta muitos tradutores, entre os quais me incluo. Trata-se de uma questão…