Os ovos e os cestos

Nos últimos meses, com o balanço feito pelas editoras, muitas notícias estão sendo divulgadas sobre a queda na venda de livros. Como é normal que aconteça, uma certa insegurança surgiu em quem depende dos livros para viver. Viver de livros poderia ser muito poético se este post não estivesse falando de épocas difíceis na economia.…

Nem tudo o que reluz é ouro

Como já dissemos por aqui, o Ponte de Letras participou do VI Congresso Internacional da Abrates no início de junho. Pelo retorno que tivemos até agora, nossa palestra parece ter sido bem recebida, mas uma das partes mais gratificantes de participar desses eventos é o contato com tradutores que são também leitores aqui do blog.…

A perna maior que o passo

Um dos primeiros posts da Carol (Copi malquisto, sucesso de público e crítica aqui no Ponte de Letras) contava um pouco a experiência dela com preparações (ou copidesques) que davam um trabalho dos diabos e acabavam com a paciência do preparador que, sendo remunerado por um trabalho, acabava fazendo outro mais complexo que é o…

O caminho batido de sempre ou aventuras diferentes?

Posso escolher o que vou traduzir? Vejo muitas pessoas que estão começando a traduzir ou querendo entrar no mercado da tradução literária pensando em começar com um determinado gênero, querendo entrar em contato apenas com editoras que publiquem livros do gênero desejado. Várias pessoas já me perguntaram coisas como “Trabalho com crianças há um bom…

Viver de livros

Há alguns dias, estava pesquisando sobre um autor que estou traduzindo e encontrei um artigo que falava sobre o tradutor desse mesmo autor para o espanhol. Uma coisa me chamou a atenção. A autora do artigo se referia a esse tradutor como “um dos únicos tradutores que ela conhecia que vivia exclusivamente da tradução de…

Cadê o público-alvo que estava aqui?

É fato: nunca se traduziu tanto para uma faixa etária específica. Os YA (Young Adult, aqui meio “espremido” na faixa adolescente) pipocam em todas as livrarias há anos, e não é difícil encontrar blogueiros ainda muito jovens comentando todo esse material e, tremam, sua tradução. Se criança não tem pena, adolescente chega a ser cruel…