Promoção “Marcados” no Ponte de Letras!

Para ganhar o Volume 1 da trilogia “Marcados”, de Caragh M. O’Brien (Editora Gutenberg) é muito fácil. Basta curtir a página do Ponte de Letras no Facebook, entrar na aba Promoções da página e clicar em Quero Participar. Depois é só aguardar o sorteio no dia 30 de junho de 2014. Participe e divulgue para amigos leitores. Boa sorte! O link…

Ler é fundamental

O tradutor literário precisa ser uma espécie de escritor? Ouço essa pergunta com frequência. O tradutor, seja literário ou não, precisa escrever bem. Escrever bem e ser escritor são coisas diferentes. Muitos tradutores são escritores e vice-versa, mas não é regra. Acredito que, muito antes de pensar em ser escritor, o tradutor literário precisa ser…

São tantas vezes…

Era uma vez uma menina que devorava livros. Passou direto do leite da mãe para as páginas cheias de figuras e letras sem estranhar. No início, as formas e cores dominavam. Muitas vezes, havia textura, sons… ela os saboreava mais com as mãos do que com os olhos. Conforme foi crescendo, começou a pegar mais…

Quando largar o osso?

Outro dia a Natasha Malara, iniciante na atividade tradutória, expôs suas dúvidas e aflições no grupo Tradutores/Intérpretes do Facebook. Com autorização dela, editei a pergunta para destacar o ponto a ser abordado e, quem sabe, poder colaborar na discussão de um assunto que atormenta muitos tradutores, entre os quais me incluo. Trata-se de uma questão…

Cada livro é um livro

Por mais que o tradutor se empenhe, por mais experiência que tenha, ele nunca produzirá uma tradução totalmente equivalente ao texto original. A perda existe, é inevitável. Mas como lidar com ela e ainda assim fazer uma tradução fiel? Quais critérios adotar para chegar a um resultado satisfatório? Depende. A própria noção de fidelidade em…

As primeiras letras do ano

Sim, estamos de volta. 2014 será um ano de muito agito aqui no Ponte de Letras. Todos já começamos a rufar tambores, esquentar tamborins, botar água no feijão e a bola para rolar. Carnaval, Copa, feriados. Ai, os feriados. Como seria bom tê-los… Bem, mas o primeiro post do ano não precisa começar com lamentações…

Existe cultura inútil?

Outro dia estava assistindo a Os Simpsons – um dos poucos programas de TV a que prefiro assistir dublado – e um trecho de um diálogo me chamou a atenção. Era um daqueles episódios de Halloween, meio nonsense, que eles chamam de Casa da árvore dos horrores, mas isso não vem ao caso. O que…