Mais um par de olhos

Todo mundo sabe que a tradução é uma atividade essencialmente solitária. Também já dissemos aqui várias vezes que, apesar disso, o tradutor não precisa – e nem deve – se isolar do mundo. Mas hoje eu não pretendo falar dos benefícios da socialização para a sanidade mental do tradutor, e sim para o resultado da tradução.

Na área editorial, é menos frequente que os projetos sejam divididos entre vários tradutores. Há exceções, como alguns livros de não ficção muito longos (guias, por exemplo) e casos específicos (até mesmo de ficção) com prazo muito apertado, mas a decisão de dividir ou não o livro sempre parte da editora que solicita o trabalho, não é algo que cabe ao tradutor. Normalmente, um único profissional é responsável pela tradução que vai entregar.

O texto ainda vai passar pela preparação, pelas revisões e pelos olhos do editor, que acrescentam sua fundamental contribuição. Apesar de ser possível deixar dúvidas, explicações e comentários para eles na tradução, sempre é preferível entregar um texto mais redondinho e bem finalizado.

Então como fazer quando, mesmo depois de muita pesquisa, bate aquela dúvida pontual, indecisão ou dificuldade? É aí que entram os outros tradutores.

É claro que ninguém vai ficar discutindo linha por linha, dificuldade por dificuldade. A tradução é sua, é autoral, e tem que ser resultado do seu trabalho. Mas é normal surgirem dúvidas mais complexas ou não ficarmos cem por cento satisfeitos com a solução encontrada. Que mal há em perguntar a opinião de um colega antes de bater o martelo? Não raro, só de formular a pergunta (em voz alta ou por escrito) chegamos mais facilmente à resposta.

Eu não tenho vergonha nenhuma de pedir socorro aos meus amigos tradutores e trocar figurinhas quando aparecem trechos muito complicados. Já aconteceu (mais de uma vez) de eu mostrar, orgulhosa, uma solução que considerava ótima e um dos meus colegas sugerir algo que deixava o trecho muito melhor. E também costumo dar meus pitacos quando eles recorrem a mim com suas perguntas. Mesmo quando não chegamos a nenhuma solução, a discussão sempre é enriquecedora.

Muitas vezes, um par de olhos mais afastado do texto consegue enxergar com mais nitidez. Quando o tradutor deixa o ego de lado, quem ganha é o leitor. 🙂

Anúncios

6 comentários sobre “Mais um par de olhos

  1. Muito bom seu texto, Flávia. Escrito de forma bem à vontade e falando verdades que enfrentamos no dia a dia. A profissão realmente é muito solitária e o par de óculos muitas vezes é somente virtual, mas as boas surpresas que temos no compartilhar fazem valer a pena. Parabéns!

Vamos conversar? Deixe seus comentários!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s